quinta-feira, 19 de maio de 2016

3 meses


Meu querido Gael...

Já se passaram três meses desde o seu nascimento! E eu mal posso acreditar em como você cresceu! Já tenho saudades daquele pequenino molenguinha, que ainda não sabia firmar o tronco nem o pescoço e se derramava em meus braços depois de cada mamada... Já tenho saudades da sua cabeça pequenina se debruçando na palma da minha mão e expressando uma ruguinha de dois riscos no lado direito da testa. Já tenho saudades do meu pequenino amareladinho por conta de uma icterícia de alergia ao leite que logo foi embora. Hoje você está firme e robusto! E chama a atenção de todos com a sua vontade precoce de levantar o corpo da cadeirinha e de firmar as perninhas quando te seguramos de pé em nosso colo. Você está a cada dia mais parecido com o seu pai! Eu fico muito feliz, porque durante a gestação eu desejava muito que você puxasse os traços lindos do seu pai. Meu desejo foi, portanto,  prontamente atendido!

Tenho aprendido muito com você desde o dia em que veio ao mundo. Você parou de chorar tão logo ouviu minha voz do lado de fora do ventre pela primeira vez e, desde então, demonstra uma serenidade incrível. Só chora quando tem algum desconforto físico. Você é calmo, paciente e muito observador. Sabe se comunicar muito bem com o olhar e, ao mesmo tempo, já tem pressa para falar. A gente bate altos papos. Quando eu falo com você, olhando bem para os seus olhos, você responde falando um monte, ainda que os sons ainda não componham nenhuma palavra, é uma verdadeira conversa! O seu pai tem com você uma ligação incrível. Vocês tem o que eu chamo de "linguagem da lingüinha", pois sempre que ele te mostra a língua você mostra a língua pra ele de volta. E ficam ali, nesse diálogo maluco por muito tempo. Agora você deu pra fazer uma coisa muito encantadora. Você pára de repente de mamar e fica só me olhado e rindo pra mim. Eu me derreto toda. E você ainda começa a conversar comigo. Eu muita vezes sou muito calada. Mas você começa a puxar uma longa conversa. É muito incrível! Daí eu não me aguento. Como expressar o quanto te amo?

Aos poucos estou conseguindo fazer você entrar numa nova rotina de mamadas de 4 em 4 horas. Às vezes você se recusa, e quer mamar apenas depois de 3 horas. Estou conseguindo colocar você pra dormir no berço, tentando te descostumar de só dormir no bebê conforto, com o som do útero e um pano tampando as luzes. Agora você já faz sonecas no seu berço também durante o dia. Mas é sempre mais complicado te colocar pra dormir direto no berço quando é dia, pois você é tão curioso que só dorme quando eu tampo o mundo de modo a impedi-lo de ver qualquer outra coisa. Você faz cerca de 4 sonecas por dia e em cada uma delas o processo para te fazer dormir é de, no mínimo, 20 minutos. Não é fácil, mas acho que estamos entrando num ritmo legal, eu e você. Dias atrás, você ficou nervoso como nunca havia ficado pra dormir. E então eu acho que entendi bem o seu recado. Quando a mamãe perde a "janela" do seu sono, depois você precisa de algum tempo para se reorganizar novamente. Naquele dia, parecia que estávamos sem comunicação. Mas, por incrível que pareça, a gente acabou entrando numa sintonia muito melhor depois de tanto choro seu! A mamãe não quer que você use chupeta, ao menos não tão cedo, para preservar a formação da primeira estrutura da sua cavidade bucal. Mas você agora está mais ansioso para sugar e tem sido um esforço danado fazê-lo dormir apenas sugando os dedinhos. Porque, sabe, eu não posso lhe dar mamá a cada vez que você quer sugar, porque não cabe tanto leite na sua barriguinha e você começa a golfar. Então agora deixo você ficar ali se deliciando com os seus dedinhos por, pelo menos, uns 10 minutos antes de dormir.

Você acorda às 07:00. Lhe dou mamá e brincamos um pouco. Você sempre acorda com um incrível bom humor! Sorri e bate as perninhas no berço respondendo ao nosso bom dia! Depois fica olhando pra mim com carinha doce e sapeca enquanto tomo meu café da manhã. Às 09:00 você tira sua primeira soneca e só acorda às 11:00 pra mamar de novo. Depois fica acordado e às 12:20 já quer dormir de novo. Como seu pai chega para o almoço justamente nesse horário, estamos tentando mudar esse horário da sua soneca para que ele possa brincar com você. Mas geralmente você acorda de novo às 14:00 e dá tempo de brincarem um pouquinho antes de ele voltar pro trabalho. Depois você tira outra soneca às 15:30 e acorda às 17:00. Dou-lhe um bom banho e um bom mamá até você dormir a sua noite de sono às 19:00. Às 23:00 eu dou uma mamada dos sonhos, pra que você não acorde de madrugada pra mamar. Mas nem sempre tem funcionado, hihihi!

Seu pai está trabalhando dando aulas na escola SESI e na Secretaria de Comunicação do PCdoB. A mamãe está trabalhando em casa mesmo, fazendo um pós doutorado em Filosofia. Estamos todos angustiados, pois daqui uma semana terei que dar aulas num módulo de Política (talvez Maquiavel, talvez Marx) às segundas e sextas num período inteiro. É preciso decidirmos como faremos com as suas mamadas nesse tempo. Fazemos um grande esforço pra você ter a amamentação exclusiva do peito. Talvez tenhamos que dar alguma frutinha já no quarto mês, para que a mamãe possa trabalhar. Sabe, meu filho, a licença maternidade é algo muito importante para uma mãe. Com ela você está tendo direito de ter leite materno quando precisar e está podendo crescer forte e saudável. Além disso, a mamãe está tendo tempo para cuidar de você com calma e equilíbrio para lhe dar todo o amor que você merece nos seus primeiros meses de vida nesse mundão maluco. O mais importante agora é conquistarmos a licença paternidade. A presença do seu pai de forma exclusiva nesses primeiros meses seria muito importante para você e também para a mamãe. Uma família em que todos possam se amar e se cooperar de maneira equilibrada é muito importante para que todos sejam felizes. Quem sabe se quando você for papai já não terá garantido esse direito de licença? Vamos à luta! Por enquanto, estamos vivendo no Brasil a luta contra o golpe da presidente Dilma, para garantirmos o básico que parece que não corria riscos: a nossa tão gloriosa democracia.


Meu filho querido, quando você nasceu foi como seu eu reaprendesse a andar de novo. Você ainda vai poder imaginar o que é para alguém ter a barriga crescendo e de repente ver saindo uma pessoa de dentro de si. E saber que reviravolta dentro da mulher que gera é muito maior emocionalmente do que fisicamente. Minha vida também começou de novo. Metaforicamente, posso dizer que no começo eu não sabia como andar e depois estava engatinhando... Depois tropeçando e segurando em algumas coisas para ficar de pé. E agora, finalmente, sinto que já consigo caminhar novamente. Aos poucos vou aprendendo a ter um pedaço de mim fora do meu corpo e, ao mesmo tempo, reaprendendo a ser eu sem você dentro de mim. Agora, caminho com mais leveza e plenitude do que antes de você vir ao mundo. Meus passos pisam com certeza, segurança e alegria. Você não imagina – mas ainda vai saber – o quanto isso é importante numa vida. Puxa, são muitas transformações! E ainda tem apenas 3 meses! Meu pequeno, já é muito imenso o meu amor por você!

(Obs.: Seu pai não se cansa de tirar fotos de você! Essa foto deste post foi a última montagem que ele fez em comemoração ao seu terceiro "mesversário"! É muito amor!)